McDonald’s passa a vender só o topo dos muffins e roteirista de Seinfeld pede dinheiro pela ideia

Quem foi apaixonado pela clássica série de comédia Seinfeld lembra bem do 21º episódio da 8ª temporada, “The Muffin Tops”. Entre as muitas tramas paralelas está a grande sacada da personagem Elaine (Julia Louis-Dreyfus), transformada em negócio por seu ex-chefe, Mr. Lippman (Richard Fancy): se a parte mais gostosa do bolinho muffin é o topo, que transborda da forminha enquanto assa no forno, por que não servem apenas os topos?

O episódio foi ao ar no dia 8 de maio de 1997. Eis que, 21 anos depois, a grande rede de fast-food McDonald’s (conhece, né?) pegou a ideia para si, como carro-chefe da tentativa de aumentar sua fatia do mercado de café da manhã nos Estados Unidos. Os chamados “Muffin Toppers” começaram a ser vendidos em fase de teste, em regiões específicas como os estados de Maryland e Indiana, mas devem ganhar o país inteiro em pouco tempo, informa a Bloomberg. Olha só um anúncio, flagrado por um fã de Seinfeld (e figurante da série em alguns episódios) e postado no Instagram:

A informação chegou rapidamente aos ouvidos de Spike Feresten, o roteirista deste e de muitos episódios de sucesso da série (ele também já foi roteirista em shows como Saturday Night Live, Late Show With David Letterman e Os Simpsons). Em um vídeo publicado ontem pelo site de celebridades TMZ, Feresten afirma – o tom é de brincadeira – que quer sua parte no negócio. “O que eu pensei foi no dinheiro. No dinheiro que eu vou ganhar dessa corporação multinacional”, disse. “Vocês vão ter que me pagar 1 bilhão de dólares.” No ar, deixou uma ideia mais viável de “pagamento” pela ideia: “Se nada disso for possível, eles podem chegar e patrocinar o ‘Spike’s Car Radio’, meu novo podcast.”

A principal dúvida de Feresten foi a mesma que passou na cabeça dos fãs de Seinfeld por anos: “Por que demorou tanto?” O roteirista conta que, um ano antes de “The Muffin Tops”, escreveu outro clássico episódio da série, “The Soup Nazi”, inspirado em um vendedor de sopas de Nova York que tratava muito mal seus clientes. O restaurante que serviu de inspiração acabou encampando a ideia ganhou milhões de dólares com a “piada”, criando um império com centenas de restaurantes e uma linha de sopas vendidas em milhares de supermercados e lojas de conveniência americanos. “O episódio dos ‘muffin tops’ foi um ano depois, e eu pensei ‘Lá vamos nós… Agora veremos uma loucura dos topos de muffin nos Estados Unidos’. E nunca aconteceu! Levou 21 anos!”, disse Feresten no vídeo.