Depois do vestido branco e dourado, estamos divididos entre os que escutam ‘yanny’ ou ‘laurel’

Quando menos precisávamos disso, o país está dividido novamente. E não se trata – ainda bem! – de coxinhas, petralhas e isentões. A polêmica da vez é mais próxima daquela do vestido que alguns viam como branco e dourado e outros viam como preto e azul. Aconteceu também com um par de Havaianas, lembra?

Agora, porém, a coisa é com nossos ouvidos, não com nossos olhos. Veja o post que está dividindo a internet… Você escuta “yanny” ou “laurel”?

Muitos ouvem “yanny”, muitos ouvem “laurel”, muitos passam a ouvir um ou outro depois de um tempo… A coisa ficou complicada e explodiu muitas cabeças.

A polêmica foi explicada por alguns especialistas. Lars Riecke, professor de neurociência da Universidade de Maastricht, na Holanda, afirmou ao site The Verge que o problema pode estar relacionado às frequências que conseguimos escutar, que variam com o passar dos anos. Os mais novos escutam frequências mais altas, como as de “yanny”, e as pessoas mais velhas perdem a capacidade de registrar essas frequências altas.

Já Jody Kreiman, pesquisadora do laboratório de percepção vocal da Universidade da Califórnia, disse ao jornal The New York Times que “os padrões acústicos da sentença estão no meio do caminho entre as duas palavras”, o que aumenta a confusão.

Outra explicação está relacionada ao aparelho que estamos usando para escutar. Porque, mudando a velocidade do áudio, dá para todos ouvirem as duas coisas, e alguns alto-falantes e fones de ouvido privilegiam graves ou agudos. Ouve só: