Prefeito de Não-Me-Toque é acusado de assédio sexual

Vamos aproveitar a ironia da existência de uma cidade chamada Não-Me-Toque, no Rio Grande do Sul, para falar sobre mais um caso nojento de assédio sexual. E protagonizado pelo prefeito, que deve levar o nome da cidade como uma espécie de imunidade para convidar funcionárias públicas para seu apartamento oferecendo promoções.

A Polícia Civil investiga pelo menos duas denúncias de assédio sexual contra o prefeito Armando Carlos Roos. A primeira investigação foi iniciada na semana passada, depois do aval do Tribunal de Justiça. Logo, uma segunda denúncia surgiu contra ele. Ambas sofreram ameaças e encontram-se sob proteção no âmbito da Lei Maria da Penha.

O delegado do caso, Gerri Adriani Mendes, contou à rádio Gaúcha que o prefeito ameaçava as vítimas com rebaixamento de cargo ou simples exoneração se elas não aceitassem seus “convites” de cunho sexual. Uma das vítimas filmou uma investida do prefeito em 2017.

Leia também  PM do Rio afastada das ruas por problema ortopédico faz maratona

“[Posso] deixar a empregada sem vir uma tarde no apartamento, mas teria que ser na semana que vem, porque que na outra tu [a funcionária] já começa”, diz o prefeito. Após recusa da vítima, que alegou ter faxinas para fazer, ele retruca: “Eu não quero namorar de graça.”

Em nota, o prefeito disse que está “surpreendido” e que “está tomando as providencias cabíveis quanto à responsabilização das pessoas e entidades envolvidas com a publicidade indevida dos documentos e vídeo de caráter pessoal”.

Sugestão do leitor Alessandro Fortes