Jovem acusado de terrorismo comprou AR-15 com dinheiro que a mãe deu para tatuagem

Timothy Felker, de 18 anos, jovem acusado por ameaçar colegas de turma do equivalente ao Ensino Médio no Brasil, na escola Paul Laurence Dunbar, em Lexington, em Kentucky, nos Estados Unidos, está sendo julgado por ameaçar colegas de classe com um fuzil AR-15 em dezembro do ano passado.

Nesta semana, durante o julgamento, foi revelado que o dinheiro usado pelo acusado para comprar o fuzil e as 500 balas apreendidas pela polícia tinha sido dado pela mãe para que Felker fizesse uma tatuagem. “Perto do Natal de dezembro de 2017 ele comprou a AR-15 com dinheiro que sua mãe deu para que ele fizesse uma tatuagem, e ele ainda comprou 500 balas”, disse Sean Stafford, detetive responsável pelo caso.

Felker foi preso depois de ameaçar de morte alunos de seu colégio, alegando que sofria bullying. Sua mãe alega nunca ter ouvido falar sobre as ameaças, informa a WKYT, uma afiliada da CBS. Apesar dos 18 anos, ele não era proibido de portar um fuzil, de acordo com as leis de seu Estado. E nega todas as acusações.

O jovem chegou a mostrar seu AR-15 nas redes sociais. Segundo o Herald Leader, de Lexington, a polícia só chegou até ele depois de uma denúncia anônima contando que Felker “tem uma arma e constantemente fala em se matar e atirar na escola.” “Ele fala, inclusive, em quem atiraria primeiro antes de atirar no resto da turma”, afirma o denunciante.