Premiê da Tailândia põe foto sua em frente a microfone e pede que imprensa faça perguntas a ela

O primeiro-ministro da Tailândia, Prayuth Chan-ocha, é um fanfarrão, e espero não sofrer represálias por dizer isso. Antes, em tom de “humor” (muitas aspas), ele já havia dito que mandaria matar qualquer jornalista que falasse mal de seu governo, sustentado por um golpe de Estado realizado em 22 de maio de 2014 (entre 2010 e 2014 ele foi chefe do Exército do país). Ha, ha, que brincalhão.

Agora, em vez de responder perguntas em uma coletiva de imprensa, mandou construir uma imagem sua em tamanho real, só que de papelão (tipo o Aécio de papelão, lembra?), e colocou-a para substituí-lo. “Qualquer um que deseje tirar fotos e fazer perguntas sobre política ou conflitos, pergunte para ela (a imagem)”, disse, segundo o G1. Ha, ha.

A principal dúvida da imprensa é se vai haver garantias institucionais para as eleições presidenciais que o premiê prometeu para novembro de 2018, independentemente do resultado das urnas. Seria o começo de um retorno à democracia na Tailândia.