Amigo de Bruno, o desaparecido do Acre, é preso e caso já é tratado como jogada de marketing

Ao que parece, a temporada do caso do “Menino do Acre”, Bruno Borges, desaparecido misteriosamente no dia 27 de março, está chegando ao fim. A Polícia Civil fez duas operações na casa de dois amigos de Bruno e encontrou, entre outras coisas, dois contratos assinados destinando aos amigos parte da renda da venda dos 14 livros que ele deixou em seu quarto, junto com as paredes rabiscadas e a estátua de 2 metros. O primo de Bruno, Eduardo Borges, também teria envolvimento no caso.

Um dos amigos de Bruno, Marcelo Ferreira, foi preso, informa o G1, por ter omitido informações sobre o caso, o que configuraria falso testemunho. Na casa de outro amigo, Mário Gaiote, foram encontrados a cama e o rack do quarto de Bruno, retirados para a montagem do cenário encontrado após seu desaparecimento. Ambos, Marcelo e Mário, tinham em casa contratos assinados de distribuição dos lucros da venda dos livros, lavrados em cartório exatamente no dia em que Bruno desapareceu.

Leia também  Com reprovação recorde, Temer reclama de falta de aplausos e pede 'puxador de palmas'

“No dia que o Bruno some, ele foi no cartório e registra o contrato. Então, para nós fica muito contundente que não foi um desaparecimento qualquer, na verdade, foi um plano consciente de afastamento, e o contrato mostra que há prazo para divulgação desses livros, prazo para publicação, destinação de porcentagem para quem o ajudou, no caso, essas três pessoas que o ajudaram de imediato. Para nós, está muito claro isso”, afirmou Alcino Júnior, delegado do caso, ao G1.