Advogado de Aécio diz que ameaça de matar intermediário de propina era brincadeirinha

José Eduardo Alckmin, advogado do ex-presidente do PSDB e senador afastado Aécio Neves, disse ao jornal O Globo que os R$ 2 milhões que ele pediu a Joesley Batista, um dos donos da JBS, foi um empréstimo, e não pagamento de suborno. “Você sabe muito bem que nem sempre os juros são aceitáveis. Então a gente tem um amigo que pode ajudar, a gente pede ajuda”, disse Alckmin ao jornal. Aham. Mas piora.

Leia também  'Homem de Ferro' usa colchinha rosa para assaltar padaria

Sobre a gravação em que Aécio fala sobre a possibilidade de matar o intermediário da propina  – “Tem que ser um que a gente mata ele antes de fazer delação” – o advogado diz que “Foi um chiste”, ou seja, só brincadeirinha. Aham.