Organização de evento pró-Trump tem descendente de árabe e petista arrependido

“Me desiludi e deixei o lado negro da força. Hoje sou um conservador. Apoio Trump nos Estados Unidos e Bolsonaro no Brasil”, disse o estudante Dennis Heiderich ao Estadão, em reportagem com os organizadores das manifestações em apoio a Donald Trump em São Paulo. Por “lado legro” leia-se PT, partido ao qual já foi filiado. Ele tem 25 anos e pertence ao movimento Juntos pelo Brasil ao lado do advogado Leandro Mohallem, de 26.

Mohallem é descendente de árabes, uma das etnias mais atacadas por Trump nos discursos, e a reportagem o questiona sobre esse fato. Ele responde acrescentando outra minoria política que, nos EUA, se reúne contra Trump: “E eu sou gay…”

Além dos dois, fazem parte do “núcleo duro” das manifestações o professor Paulo Enéas, 52 anos (site Crítica Nacional) e o corretor de seguros Edson Salomão, 39 anos (grupo Direita São Paulo). Os quatro nunca viajaram para os Estados Unidos. A próxima manifestação pró-Trump será no próximo sábado.