Líder de movimento anti-corrupção é réu em processos que somam R$ 4,9 milhões

O empresário Renan Antônio Ferreira dos Santos, coordenador nacional do Movimento Brasil Livre (MBL) e um dos rostos mais conhecidos das manifestações de combate à corrupção e pelo impeachment da presidente Dilma Rousseff, é réu em pelo menos 16 ações cíveis e mais de 45 processos trabalhistas, informa o UOL. Entre as acusações estão, segundo a reportagem, “fechamento fraudulento de empresas, dívidas fiscais, fraude contra credores, calote em pagamento de dívidas trabalhistas e ações de danos morais”.

Dos líderes do MBL, uma maioria de jovens, Renan é o mais velho, com 32 anos. Os processos de empresas onde ele aparece como dono ou sócio vêm desde pelo menos 1998 e, no total, somam 4,9 milhões de reais. Ele nega as irregularidades. As revelações surgem no momento em que o movimento que lidera sofre ação de despejo em sua sede nacional, em São Paulo. A proprietária do imóvel, Lrbo Adm de Imóveis Ltda, pediu-o de volta em outubro, mas não obteve resposta dos locatários e entrou com uma ação na Justiça. No mesmo endereço funciona a produtora NCE Filmes, de Stephanie Santos, irmã de Renan. Ela é responsável por toda a produção de material impresso e em vídeo do MBL, além de ser a titular da conta que recebe doações dos simpatizantes.